Os Cinco Clássicos

Dentre os textos mais antigos produzidos durante a dinastia Zhou (XII - III a.C.), destacam-se os chamados Cinco Clássicos, que constituíam a base da cultura chinesa antiga e serviram para a estruturação da Escola dos Letrados de Confúcio. São deste mesmo autor as versões produzidas no século VI aC. que compõe os textos atualmente utilizados, o que torna a datação dos clássicos uma tarefa bastante complexa. Há índicios, porém, que podem situá-los em época próxima do século XII a.C.. Os Cinco Clássicos são:


Yijing, ou Tratado das Mutações: O mais antigo compêndio de ciência chinesa, utilizado com os mais diversos fins, do qual se destacam o uso oracular e filosófico. Teria sido escrito pelos fundadores da dinastia Zhou - os reis Wen, Wu e pelo Duque Zhou - em torno do século XII, mas segundo o comentário Cixi de Confúcio, os simbolos trigramáticos (gua) utilizados são de um tempo desconhecido.


Shijing, ou Tratado das Poesias: Livro com os mais diversos tipos de poesias (musicadas ou não) de origem popular e nobre. A tradição costuma dizer que os cânticos eram recolhidos por funcionários do governo em ambientes populares para que o soberano pudesse avaliar o impacto de suas políticas no cotidiano. Confúcio recompilou uma série de 305 poesias tidas por ele como principais pelos seu caráter moral e exemplar.


Shujing, ou Tratado dos Livros: Recolha dos principais discursos, acontecimentos políticos e eventos das dinastias Xia, Shang e Zhou. A versão confucionista terminou por conceder uma importância maior aos capítulos éticos e ilustrativos.


Liji, ou Manual dos Rituais: Junção de vários livros que abordam os mais diversos tópicos sobre o comportamento ritual, educação, artes, ética, etc.


Chunqiu, ou Primaveras e Outonos: Este parece ser o único texto de autoria do próprio Confúcio, contendo uma longa cronologia dos acontecimentos políticos e históricos do século IX a.C. até sua época. O texto, extremamente seco, servia como referência nos mais diversos tipos de discussão intelectuais e políticas, mas trazia poucas informações contextuais. Por isso, ele recebeu três comentários posteriores que buscavam explicar cada um dos eventos abordados, do qual destaca-se o Zuozhuan que seria, depois, considerado o comentário oficial do Texto.


Yuejing, ou Tratado da Música: Tal como a poesia, a música era um dos sustentáculos da alma humana para Confúcio. Este tratado se perdeu, porém, e aparentemente um de seus poucos fragmentos foi incluído no Liji. Ele constituiria, pois, o Sexto Clássico.