Páginas

Ajuda a gente??? =)

Yijing, Tratado das Mutações (04)

49. KO – Revolução

Mudanças oriundas do conflito, e conflitos oriundos da mudança, são o tema central deste hexagrama. O Lago (Tui) em cima do Fogo (Li) mostra dois elementos cujas forças estão em constante conflito, as linhas aconselhando como acabar com esta inimizade. Também Tui e Li representam as filhas, mas, aqui, a mais jovem usurpou sua posição. Daí a idéia de revolução. Ko trata da adaptação à mudança.

O Julgamento
Revolução. Quando chegar a sua hora, acreditarão em você. Sublime sucesso, pela perseverança. O remorso se dissipa.

Por mais insatisfatórias que sejam as condições presentes, é preciso esperar pelo momento azado para fazer mudanças. Você terá sucesso, desde que as mudanças não sejam egoístas.

A Imagem
No Lago, o Fogo: símbolo da Revolução. O homem nobre determina o calendário, E assinala a ordem das estações.

As estações, como o Fogo e a Água, destroem umas às outras â medida que avançam. Quem entende as mudanças nota seus sinais e é capaz de prever as necessidades vindouras dos tempos sob os sintomas aparentes. Assim plantam os lavradores prósperos. Assim foram vencidas as grandes batalhas.

As Linhas
Nove no fundo: envolvido num couro de vaca amarela.

O amarelo (a cor do Caminho do Meio) representa o meio, onde está a virtude, e a vaca simboliza a docilidade. Trabalhe duro, sem grandes ambições. Qualquer tentativa de tirar proveito das tendências atuais seria desastroso.

Seis no segundo lugar: se tua hora chegar, podes causar uma revolução. A ação traz a fortuna. Sem desonra.

Tempo de boa sorte e reconhecimento. As mudanças devem ser exaustivamente preparadas e os valores devem ser bem avaliados. A influência de uma força-guia pode ser apropriada agora e os resultados da mudança também devem ser bem pensados.

Nove no terceiro lugar: a ação traz o infortúnio. Se os rumores de revolução circularam três vezes, pode-se encontrar a confiança. Esperar traz o perigo.

Qualquer excesso pode ser catastrófico, agora: o excesso de conservadorismo ou o açodamento. Pode-se ser facilmente iludido por palavras falazes e descontentamentos mal fundamentados. Examine cada situação exaustivamente. Não se deixe desgarrar. Discuta e participe com aqueles em quem confia.

Nove no quarto lugar: o remorso se dissipa. Encontra-se a fé das pessoas. Mudar a ordem do Estado traz a fortuna.

A ênfase aqui é na motivação não-egoísta e pontos de vista amplos e amadurecidos. É também um aviso contra a mesquinhez e pensamento estreito ou superficial. À imagem de instituições, que professa que certos valores devem ser mudados e sublinha a justiça enquanto oposta à hiprocrisia. Boa sorte, promoção e sucesso são indicados para aqueles com posições humildes ou vidas pacatas.

Nove no quinto lugar: o grande homem transforma-se ousadamente, como um tigre. Ele encontra confiança, antes mesmo de consultar o oráculo.

A fortuna ajuda aos audazes. A mudança agora precisa ser forjada de maneira decisiva, com princípios bem claros, para que todos entendam - assim como as faixas de um tigre, visíveis de longe quando ele deixa o matagal e sai em campo aberto.

Seis no alto: o homem nobre transforma-se sutilmente, como uma pantera. O homem vulgar muda de cara. Avançar traz o infortúnio. Continuar perseverante traz a fortuna.

As grandes perturbações dissiparam-se e grandes mudanças foram feitas. Só as pequenas mudanças, como as pintas do leopardo, agora são aconselháveis. Gente calma, fraca ou vulgar só precisa adotar uma expressão apropriada, e suas vidas ficam sem alteração. Para o líder da revolução, este é um fato da vida a ser aceito. Para a pessoa quieta, é um meio de sobreviver. Fique conformado e obedeça às regras.



50. TING - O Caldeirão

Este hexagrama representa a alimentação e a transformação, enfatizando os assuntos materiais ordenados ou subordinados a considerações abstratas. Embaixo, Suen (a Madeira, o Vento) alimenta Li (a Chama, o Fogo), sugerindo o cozer. Também se considerou que a forma do hexagrama representasse um caldeirão. Isto pode calar bem para condições estáveis, pois o pote de cozer chinês tinha três pernas (três sendo considerado um ideal de pureza e estabilidade). Nos negócios humanos, simbolizam o judiciário, o legislativo e o executivo. Há também muitos outros paralelos - pai, mãe, filho - marido, mulher, concubina, etc.

O Julgamento
O Caldeirão. Suprema fortuna. Sucesso.

A idéia de alimentação é ampliada pelo atributo do hexagrama que sugere valores espirituais ou abstratos. Assim a ênfase de Ting é nos valores práticos dedicados a princípios mais altos.

A Imagem
Fogo sobre Madeira: símbolo do Caldeirão. Assim o homem nobre consolida seu destino, Adaptando-se à situação mais apropriada.

A Madeira (mundana; terrosa) nutre o Fogo. Em sociedade, o Fogo simboliza a superestrutura moral e cultural e, no ser humano, a consciência espiritual. O terreno deve ser ordenado de acordo com o espiritual. Assim o sábio, compreendendo que é o destino a única força motivadora de sua vida, ordena sua vida realisticamente, de acordo com o grau de compreensão que tiver do destino. Pela composição harmoniosa destas forças, desfruta de boa fortuna e progride espiritualmente.

As Linhas
Seis no fundo: o Caldeirão revirado: posição boa para remover os resíduos de comida. Esposa-se uma concubina por amor de seu filho. Sem desonra.

Aqui, a imagem do Caldeirão revirado, a "concubina". Sua posição parece humilde, de início, mesmo que tenha um valor intrínseco. As imagens de limpeza e fertilidade sugerem alguém virtuoso e de talento, e que pode ter sucesso, mesmo que em posição inferior, no presente. O sucesso após a tristeza, possivelmente com ajuda alheia.

Nove no segundo lugar: Caldeirão cheio de comida. Os companheiros têm inveja, mas nada podem contra mim. Fortuna.

Você está confiante em empreendimentos valorosos, e numa prosperidade segura (espiritual ou material).

Nove no terceiro lugar: as alças do Caldeirão estão deformadas. Sua atividade sofre obstrução. O faisão fica sem ser comido. A chuva leve alivia o remorso. Ao fim, a fortuna.

Se as alças estiverem deformadas, o Caldeira:o não pode ser erguido, e assim a comida fica inacessível. Seus recursos estão sendo desperdiçados. Mas, se se encarar as dificuldades virtuosamente, elas serão resolvidas. Obstáculos; talvez mesmo perdas.

Nove no quarto lugar: os pés do caldeirão se quebram, e a refeição do príncipe cai sobre ele. Infortúnio.

O caráter, os recursos ou os auxiliares são insuficientes. Isto significa o fracasso e, como é sua própria culpa, a desonra. Má sorte, e pouco sucesso.

Seis no quinto lugar: o caldeirão tem alças amarelas - anéis de ouro. A perseverança é vantajosa.

Tempo de sucesso e aperfeiçoamento. O amarelo e o ouro indicam uma virtude modesta - alguém que é tímido, talvez em excesso. Mas sua virtude atrai àqueles de quem não ousaria se aproximar. Eis aqui a chave para o sucesso.

Nove no alto: o caldeirão tem anéis de jade. Nada que não seja vantajoso.

O jade é lustroso e duro. A força e a benevolência são aqui indicadas. Tempo de conquistas e reconhecimento. Se a retirada (temporária ou permanente) parecer adequada, agora é um bom momento.



51. TCHEN - O Abalo, a Trovoada

Ambos os trigramas são Tchen, o Que Desperta, indicando um tempo favorável a uma segunda chance. As qualidades representadas por Tchen podem ser uma força estimulante ou uma que terrifica e desorienta. A ênfase do conselho de Tchen é na moderação e na ação (ou reação) habilidosa e comedida.

O Julgamento
O Abalo traz o sucesso. Abalo: Ho! Alegria: Ha, ha! Mesmo que todos estejam aterrorizados numa distância de cem milhas, O celebrante não deixa cair a colher e a copa rituais.

Uma vez que se compreenda o profundo choque sugerido por Tchen, fica-se imune a seus terrores. Num período de eventos desastrosos, imprevistos, esta compreensão garante que podemos executar as tarefas mais importantes e delicadas, e aceitar mesmo a catástrofe com um espírito harmonioso e eficaz.

A Imagem
Trovão sobre Trovão: sÍmbolo do Abalo. Assim, o homem nobre, com temerosa apreensão Põe sua casa em ordem E examina a si mesmo.

Pode-se ser acometido pelo desastre e pelo colapso, mas para o sábio, isto é fonte de inspiração, para analisar seu coração e descobrir suas forças e fraquezas, e dispor corretamente seus negócios.

As Linhas
Nove no fundo: vem o trovão: Ho! ho! Sucede a alegria: Ha! ha! Fortuna.

Tempo em que a boa fortuna segue-se a uma ameaça, e eventos súbitos indicam uma mudança no seu fado.

Seis no terceiro lugar: o trovão vem e o deixa desorientado. Ele perde suas posses, vezes sem conta e deve subir os noves mo"os. Não se deve correr atrás delas, Após sete dias, serão reavidas.

Problemas e perdas. Se os problemas fizerem com que você perca contato consigo mesmo, as coisas só poderão piorar. É preciso se tornar imperscrutável. Entenda que esta perda é inevitável. Pode-se sofrer privações agora, mas suas necessidades serão satisfeitas na medida em que você conservar sua firmeza.

Seis no terceiro lugar: trovão vem e o deixa desorientado. Se isto o estimular a agir, Não haverá infortúnio.

O choque do perigo, que parece penetrar-lhe os ossos, pode ser paralisante. Isto seria desastroso. É preciso responder ativamente aos eventos, numa maneira ditada pela verdade interior e intuição congênita. As dificuldades devem agir como estimulante.

Nove no quarto lugar: o trovão é amortecido.

Reações grosseiras e nebulosas e uma consciência vaga impedindo uma resposta eficaz aos problemas. Neste caso, a repercussão deverá ser demorada. Talvez uma dura lição.

Seis no quinto lugar: o trovão vai e vem e traz o perigo. Não se perde nada, mas há afazeres a serem atendidos.

Os problemas que se sucedem podem lançá-lo daqui para ali. É importante manter a lucidez e organizar direito as suas atividades, com bastante discernimento.

Seis no alto: o trovão traz a ruína e clamores. Agir acarreta o infortúnio. Se atingir o próximo, mas não a nós, sem desonra - mas haverá murmúrios.

O desastre próximo pode destruir a eficácia. É preciso retirar-se, a despeito de reações iradas dos outros. O cuidado pode atrair a boa sorte, mas o infortúnio está no ar.



52. KEN - Imobilização

O trigrama Ken (a Montanha, ou a Imobilização) é duplicado, ou seja, uma cessão completa do movimento. Também em ambos os trigramas , as linhas yang moveram-se o máximo que podiam. A imobilidade perpetua-se. Este hexagrama tem fortes implicações para a consecução da paz interior, e trata das maneiras pelas quais ela pode ser obtida. Especialmente a meditação é indicada, porque em seus primeiros estágios as dificuldades em atingir a quietude mental necessária para o aperfeiçoamento são óbvias a todos.

O Julgamento
Imobilização do dorso, Até que não se possa mais sentir o corpo. Entra em seu pátio. E não consegue ver seus homens. Sem desonra.

Quem não conseguir impor uma calma interior, será apanhado pelas ansiedades e pontos de vista dos outros. O dorso imóvel é símbolo de uma calma profunda, da alma. Quando nenhuma atividade perturba a coluna, a mente inquieta e aos poucos vai se acalmando. Pode-se então começar a entender o valor e a ilusão por detrás do costume social e da sua própria natureza. Esta é a base da real sabedoria.

A Imagem
Montanha sobre Montanha: símbolo da Imobilização. Assim os pensamentos do homem nobre Não vagam além de sua posição atual.

O aspecto mais difícil da meditação é a concentração. Não a camisa de força mental que uma criança aplica para conter sua mente dentro dos limites de uma matéria não apreciada, nem a atenção arrebatada de uma pessoa por seu passatempo, mas uma qualidade superior, flexível, que permite ao coração inquieto produzir pensamentos, sem se envolver passionalmente com eles. A quietude flexível é central para a realização nas artes marciais, reverenciada no oriente. Manifesta-se enquanto compostura e imobilidade frente ao perigo iminente, quebrada por uma resposta rápida e apropriada à aça:o do adversário, é precisamente no momento azado. Assim, na vida, a quietude não é negação, mas a preparação mais eficaz para qualquer atividade intensa. É um tempo de planejar, à sua própria maneira, e de se preparar gradativamente para ações posteriores.

As Linhas
Seis no fundo: Imobilização dos artelhos. A perseverança durável é vantajosa. Sem desonra.

A imagem parece contraditória - os artelhos (e, junto deles, tudo mais) não se movem, se bem que o conselho seja pela persistência. A resposta é que o instinto inicial para agir é correto, mas quaisquer dúvidas nos farão parar e mudar de direção. Se estiver imóvel, porém, continue imóvel.

Seis no segundo lugar: Imobilização da baixa da perna, mas não pode restringir o líder. Frustração.

Não se pode conscientizar os outros de sua insensatez. Se se seguir alguém num caminho errado e as pernas estiverem relutantes em mover-se, é preciso deixar o outro abandonado a seu destino, ou cair junto com ele. Tempo de preocupações.

Nove no terceiro lugar: Imobilização dos quadris, e enrijecimento do sacro. O coração sufoca.

Eis aqui uma rigidez imposta, ou arrogância. As atitudes forçadas levam a situações perigosas. Deve-se tentar capturar a verdadeira paz, e não impor uma disciplina repressiva. A imagem mostra um meditador cuja rigidez forçada só irrita e frustra. O sucesso e a dificuldade.

Seis no quarto lugar: Imobilização do tronco. Sem desonra.

Não há vantagem nenhuma em aplicar a força, agora. Seu coração está inquieto. A harmonia perfeita ainda está longe. Porém, o tronco imóvel simboliza um feito significativo - um passo importante no caminho.

Seis no quinto lugar: Imobilização dos maxilares. Suas palavras são ordenadas. O remorso desaparece.

A parola leviana sobre os problemas, por vezes pode torná-los pior. Mostra uma profunda ansiedade por detrás da fachada. É preciso mais autocontrole. Tempo de progresso e harmonia. Confúcio expande este tema como segue: "Se a linguagem não é correta, então não se diz o que se quer significar. Então o que deveria ser feito não é feito, e se as coisas ficam por fazer, a moral e as artes deteriorarão. Então a justiça será extraviada. Se isto ocorrer, o povo ficará em inapelável confusão. Assim, o que é dito é supremamente importante, e não deve haver desleixo quanto a isto".

Nove no alto: Imobilização com honorável virtude. Fortuna.

Uma aceitação benevolente e calma, que acumula virtude. Tempo de harmonia, tranqüilidade e boa sorte.



53. TSIEN - Desenvolvimento Gradual

Este hexagrama implica progresso, de maneira comedida e ordenada. Acima de Suen, a filha mais velha; embaixo, Ken, o filho mais jovem. Ambos crescem e progridem passo a passo, da mesma maneira que uma árvore (Suen) sobre a Montanha (Ken). Ali ela deve tecer suas raízes em meio ao fino solo para garantir estabilidade, em sua posição exposta.

O Julgamento
Desenvolvimento. Esposa-se uma moça. Fortuna. A perseverança é vantajosa.

O Julgamento indica a importância da moral social, costumes, tradição e integração do indivíduo com a comunidade, pela subjugação das inclinações egoístas. As formalidades que levam ao casamento evitavam a pressa e não podiam ser aceleradas por forças externas. Um desenvolvimento correto e gradual do relacionamento era considerado o primeiro requisito para uma união bem-sucedida.

A Imagem
Uma arvore sobre a Montanha: símbolo do Desenvolvimento. Assim o homem nobre, tornando permanente sua virtude, Aperfeiçoa a moral social.

A Árvore sobre a Montanha cresce devagar, só gradualmente tornando-se um marco visível para as pessoas. A personalidade deve desenvolver-se pela perseverança paciente. O costume deve ser observado e a influência deve aumentar em etapas suaves. Tsien é favorável para os negócios que se desenvolvem passo a passo.

As Linhas
Seis no fundo: gradualmente, o ganso selvagem se aproxima da ribeira. O rapaz está em perigo. Paroles, mas sem desonra.

O atributo mais construtivo, o matrimônio, é sublinhado em todas as linhas pelo símbolo do ganso selvagem, que representava a perfeita fidelidade (no sentido amplo), pois acreditava-se que tomava uma só companheira por toda a vida. A linha mostra alguém iniciando uma jornada cheia de exigências.

Seis no segundo lugar: gradualmente, o ganso selvagem se aproxima da falésia. Beber e comer em paz e concórdia. Fortuna.

Atinge-se o repouso e a segurança. O caminho à frente é visível. Os ideogramas enfatizam que sua fortuna deve ser compartilhada, ou colocada a serviços não- egoístas.

Nove no terceiro lugar: gradualmente, o ganso selvagem se aproxima do planalto. O explorador avança, e não mais retorna. A mulher está grávida, mas a criança não nascerá. Infortúnio. É vantajoso defender-se contra ladrões.

Você foi muito alto; muito longe, e está num lugar hostil. Arrogância, falta de premeditação, ou um individualismo egoísta só trazem problemas. Persevere sem usar força ou ação agressiva. Tempo de desarmonia e perda.

Seis no quarto lugar: gradualmente, o ganso selvagem se aproxima da arvore, procurando um galho plano. Sem desonra.

Você está em posição incômoda, se bem que aparentemente, não por culpa sua. O ganso encontrará um abrigo e ficará contente, mas árvores não são adequadas para palmípedes, assim indica-se algum perigo. A humildade ajudará a evitar isto, até que seja tempo de mudanças.

Nove no quinto lugar: gradualmente, o ganso selvagem se dirige para as nuvens, nas alturas. Suas plumas, ao cair, serão usadas para a dança sagrada. Fortuna.

A imagem de um bando de gansos selvagens subindo rumo ao Céu era símbolo do esforço virtuoso, auspicioso, e quaisquer penas coletadas eram usadas como adornos para as cerimônias sagradas. O que é indicado como sendo conseguido inclui deixar o passado para trás. Sua virtude é reconhecida, e uma nova vida o aguarda.



54. KUEI MEl - A Noiva

Em cima, Tchen (o Trovão, o Que Desperta, o filho mais velho); embaixo, Tui (a filha mais jovem, o Lago, o Feliz). Assim, uma moça é o que é representado, seguindo um homem mais velho, com a alegria do lado dela e o estímulo do lado dele. A metáfora central da noiva prometida é altamente especializada. O costume permitia uma "vice-esposa" que era bem recebida na família, para atender às necessidades mais íntimas do marido. As admoestações morais resultantes desta metáfora concernem às condições sutis e delicadas que devem ser preenchidas nos relacionamentos. Numa interpretação puramente divinatória, a situação retratada enfatiza a impermanência, porque o status da esposa substituta era santificado pela sanção social.

O Julgamento
A Noiva. Qualquer iniciativa acarreta o infortúnio. Nada que seja vantajoso.

Um enorme tato e reserva eram necessários para que a jovem "concubina" não usurpasse a influência da mulher, em geral mais madura, que cumpria o papel formal de esposa. Nos relacionamentos modernos, o sucesso depende da reserva e compromisso como expressão essencial de afeto. O significado mundano é que você está envolvido com outros por causa da utilidade - o resultado de uma necessidade tácita, talvez hipócrita, dos outros.

A Imagem
Trovão sobre o Lago: símbolo da Noiva. Assim o homem nobre compreende o efêmero E vê tudo a luz da eternidade.

A trovoada e a tempestade agitam o Lago, criando ondas iluminadas. Daqui resulta a atração: é luminosa e bela, mas não tem permanência. Uma vez que você entenda que sua posição é um tanto artificial, só tentará ser o que realmente pode. Obviamente, este hexagrama não é bom agouro para casamento ou empreendimentos permanentes. Deve-se ser austero em comportamento e expectativas.

As Linhas
Nove no fundo: a Noiva enquanto concubina. Um aleijado pode andar. Os empreendimentos trazem fortuna.

Tempo de realizações - mesmo com recursos limitados. Indica-se uma posição de inferioridade. Se se aceitar a posição, ter-se-á uma esfera de ação definida dentro da qual construir e atingir objetivos.

Nove no segundo lugar: o caolho pode ver. A perseverança é vantajosa para o solitário.

Tempo de nenhum progresso, mas deve-se estar em segurança. A imagem representa uma moça desapontada.

Seis no terceiro lugar: a Noiva como escrava. Pode ser aceita como não mais que uma concubina.

Se estiver em segurança, poderá perder; se estiver inseguro, poderá ganhar mas espere pelo momento mais oportuno. Atinge-se o objetivo, mas os deveres decorrentes serão onerosos, ou não concedendo realização. Você foi irrealista na auto-avaliação, e deve aceitar uma posição subalterna, ou incerta.

Nove no quarto lugar: a Noiva parece indecisa. Um casamento tardio virá seu tempo.

Você está sopesando o futuro contra seus instintos. Tempo para mudar de curso ou esperar. Se se conservar reservado por fazer um conceito muito elevado de si, a boa oportunidade poderá ser perdida - mas você acabará por encontrar uma boa oportunidade.

Seis no quinto lugar: o imperador faz um casamento comum para sua filha. Seu vestido não é tão belo quanto os das damas de honra. A Lua quase cheia traz a fortuna.

A linha indica alguém de virtude superior que aceita posição inferior sem ressentimento. Boa fortuna, sob circunstâncias limitadas, ou talvez um progresso futuro. Realização e sucesso são indicados.

Seis no alto: a cesta da Noiva está vazia. A faca do homem não sangra o carneiro. Nada que seja vantajoso.

O simbolismo do ritual vazio sugere uma atitude irreverente, sem compromisso. Alternativamente, você pode ser incapaz de preencher o papel que lhe é pedido. Sucesso aparente, não satisfeito por recompensas reais.



55. FENG – Plenitude

Tchen (o Trovão, o Que Desperta) está em cima, e Li (a Chama, o Que se Apega) está embaixo. Juntos, sugerem um espírito lúcido, brilhante, dentro do movimento, e assim a idéia de brilhante sucesso. Outros atributos do trigrama enfatizam a abundância e o brilho, que só podem ter vida curta (por exemplo, o atributo da Chama apegando-se a Madeira simboliza um violento incêndio florestal). Tempo de desfrutar o que se têm, sem mais expectativas.

O Julgamento
Plenitude: sucesso. O rei atinge a Plenitude. Nenhuma tristeza, agora. É como o Sol ao meio-dia.

O Sol do meio-dia logo começará a declinar. Adicionalmente, seu, efeito aquecedor e benevolente sobre o mundo sugere não egoísmo e bondade para com todos, e esta atitude previne a arrogância e a cólera quando a boa sorte tiver passado.

A Imagem
Raio e Trovão juntos: símbolo da Plenitude. Assim o homem nobre julga as disputas E executa os castigos.

A claridade cheia de energia sugerida por Tchen e Li, respectivamente, mostra tanto como a abundância pode ser criada aplicando-se energia e discernimento, quanto como se pode garantir a própria prosperidade e evitar excessos uma vez isto atingido. O sábio evita a complacência e é moderado e judicioso ao lidar com seus negócios.

As Linhas
Nove no fundo: ele encontra seu mestre, Podem ficar juntos por dez dias: sem desonra. A iniciativa traz aperfeiçoamentos.

Tempo em que a ajuda alheia pode trazer compensações. Aqui, duas partes com qualidades complementares (representadas pelos atributos dos trigramas) são simbolizadas. Podem entrar em contato naturalmente, ou com algum esforço. O resultado será uma associação que dará frutos durante todo um ciclo de acontecimentos.

Seis no segundo lugar: a cortina é de tal densidade que se vêem as estrelas ao meio-dia. Uma iniciativa enérgica acarreta suspeita e ódio. A iniciativa pela sinceridade acarreta boa fortuna.

Uma barreira perante o Sol, aqui, simboliza uma intriga que bloqueia eficaz- mente seus esforços - o Sol é tão bem bloqueado que toda a luz desaparece. Contrariar ativamente esta situação traria só a desgraça, de modo que se deve estabelecer um bom relacionamento com os outros envolvidos, ou continuar seu caminho modesto e corretamente. Indica-se uma perda, ou dificuldade, seguida pela boa fortuna.

Nove no terceiro lugar: canavial de tal densidade que se vêem as estrelas ao meio-dia. Seu braço direito é ferido. Sem desonra.

Aqui, o sucesso é eclipsado por um elemento que age rápido e tira a situação completamente das suas mãos. Tempo de perdas e dificuldades.

Nove no quarto lugar: a cortina é de tal densidade que se vi a estrela polar ao meio-dia. Ele encontra seu mestre. Fortuna.

A influência eclipsante está desaparecendo, e você é capaz de entrar em contato com alguém cujas qualidades completam as suas (veja a primeira linha). As condições são imperfeitas; desarmoniosas. As oportunidades poderão aparecer.

Seis no quinto lugar: ele atrai homens brilhantes, que trazem a prosperidade e as bênçãos. Fortuna.

As suas boas qualidades atrairão outros, que são capazes. Talvez as habilidades dos outros se revelarão agora pela primeira vez. Tempo de ajuda, promoção e reconhecimento.

Seis no alto: sua família está encerrada na grande casa, em meio a abundância. Vigia-se o portão, e não se vi ninguém. Infortúnio.

Quem luta pela glória, mas se torna arrogante, é o que se representa aqui. Os resultados são as preocupações, perdas ou ilusões egoístas. Tempo de conflito e dificuldade para todos que sejam humildes.



56. LIU - O Estrangeiro

Li (o Fogo) sobre Ken (a Montanha) simbolizavam um incêndio sobre a montanha. Sem folhagem abundante para alimentá-lo, terá vida curta. Os dois princípios - um imóvel, o outro móvel e cheio de energia - são estranhos um para o outro, e a natureza inquieta, incansável, do Fogo aumenta as implicações de movimento. A pessoa indicada por Liu é a do viajor, do vagabundo. As viagens podem ser subjetivas, ou reais, mas são sempre enraizadas numa motivação bem real, subjetiva.

O Julgamento
O Estrangeiro. Sucesso pelas pequenas coisas. Para quem persevera no caminho, vantagens.

Um viajor nunca conseguirá uma influência permanente. Portanto, é preciso ser flexível, sincero e não fazer exigências, de modo a não tirar mais do que se dá. O Viajor deve ser reservado em seu comportamento, pois ele é vulnerável a pessoas agressivas ou impositivas. Outros, analogamente, são vulneráveis a ele, pois são condicionados pelas ilusões das circunstâncias seguras.

A Imagem
O Fogo queima sobre a Montanha: símbolo do Viajor Assim o homem nobre age com lucidez e prudência Ao impor punições E não posterga nenhum litígio.

O incêndio na montanha é um fenômeno temporário, simbolizando um homem que não se envolve com atitudes e eventos que complicariam sua vida ou atrasariam sua jornada. No todo, Liu é desfavorável a acordos ou empreendimentos permanentes ou cheios de vínculos.

As Linhas
Seis no fundo: se o viajor se ocupa de coisas mesquinhas, atrai o infortúnio.

Quem está em posição vulnerável não deve se envolver com condições triviais ou inferiores. Se forçado a esta posição, deve ter cuidado. Da mesma maneira, é preciso respeitar as atitudes dos outros, pois você poderá se encontrar em desacordo com as circunstâncias imediatas.

Seis no segundo lugar: o Viajor chega a um albergue, e é um homem de posses. Ganha a lealdade de um jovem servidor.

Tempo de iniciativa e progresso, possivelmente através de viagens. A riqueza do Viajor simboliza a capacidade de estar em contato com o mais íntimo de seu ser, o que produz um comportamento harmonioso e atrai os outros.

Nove no terceiro lugar: o albergue do Viajor queima. Ele é desertado por seu jovem servidor. Perigo.

Problemas com o seu ambiente mais imediato. Você está envolvido em assuntos fora de sua competência. Talvez você esteja se intrometendo, e a comunicação interior foi perdida. Os outros não lhe dirigem simpatia.

Nove no quarto lugar: o Viajor encontra um abrigo. Consegue os bens de que precisa, mas seu coração está insatisfeito.

Tempo de sucesso, provavelmente envolvendo viagem ou mudança. A imagem mostra quem deixou de vagar e encontrou um nicho seguro. Talvez seja uma pessoa que sabe limitar suas ambições e comportamento à sua situação real. A situação pode ser insegura, e a perda, provável. Se você é, por natureza, um Viajor, sentir-se-á restringido e incomodado nesta posição.

Seis no quinto lugar: o Viajor acerta um faisão com uma só flecha. Honrarias e responsabilidade.

Tempo de sucesso, promoção e recompensa. O Viajor é hábil, e observa as formalidades corretas, ganhando aceitação. Aceite o aspecto formal de sua situação, por mais estranhas que pareçam.

Nove no alto: o ninho do pássaro incendeia-se. De início, o Viajor ri, depois se lamenta. Perde, por descuido, a sua vaca. Infortúnio.

O violento descuidado perde ou destrói algo valioso ou essencial a sua segurança. A arrogância ou cinismo egoísta também são acusados. Em suas ações incansavelmente egoístas, você perde flexibilidade e modéstia.


57. SUEN - O Suave

Ambos os trigramas são Suen - o Vento, o Suave, ou a qualidade do que é Penetrante. A estes atributos, acresce-se a idéia da harmonia. Suen também simboliza a Madeira, ou vegetais. As plantas vergam-se ao vento, aqui dando a idéia de uma atividade flexível e harmoniosa. A condição implicada por Suen acarreta atitudes quietas, relaxadas, sutis. Ajuda a desenvolver uma atitude harmoniosa e em ressonância com as condições, coisas e pessoas. Suen favorece novos empreendimentos, particularmente aqueles que envolvem movimento.

O Julgamento
O Suave. Sucesso pelas pequenas coisas. É vantajoso tomar iniciativa. É vantajoso ver o grande homem.

A influência do Suave estabelece condições duráveis através de um esforço modesto e gradual. Freqüentemente requer a ajuda de pessoa mais forte ou influente. Tempo de influenciar mais pela força do caráter que pela ação direta. Acarreta o perigo de excesso de envolvimento.

A Imagem
Vento sucedendo ao Vento: símbolo do Suave. Assim o homem nobre difunde suas ordens, E executa seus negócios.

Aqui, um objetivo bem definido, junto com o cuidado em sua execução. O sábio prepara o caminho para o que está para vir, ampliando sua influência por sugestão e liderança.

As Linhas
Seis no fundo: o Vento vai e vem, É vantajoso ter a perseverança de um guerreiro.

Condições imprecisas: pode-se ganhar ou perder. Se se vê um caminho à frente, deve-se avançar; se se tem dúvidas, deve-se ficar imóvel ou retirar. A firmeza é o caminho certo.

Nove no segundo lugar: penetrar sob o leito. É preciso dispor de sacerdotes e magos em grande número. Sem desonra.

As forças negras e sutis estão minando seus planos e elas devem ser procuradas em sua fonte, e trazidas à luz do dia. A franqueza e honestidade terão sucesso. Boa fortuna para fins acadêmicos e de comunicação.

Nove no terceiro lugar: lufadas de vento repetidas. Humilhação.

Tempo de progressos ou reveses imprevistos. A imagem sugere ponderação exagerada até ser óbvio que se fica incapaz de tomar uma decisão. Isto acarretaria embaraço e o diminuiria às vistas dos outros.

Seis no quarto lugar: o remorso se dissipa. Apanha-se caça para os três fins.

Os três fins eram: sacrifício, para honrar os hóspedes e para as refeições cotidianas. Assim, uma pessoa em posição de responsabilidade é representada usando todos os seus recursos e considerando todos os fatores (práticos, emocionais, morais) de maneira equilibrada. Assim, você poderá descobrir o bem em tudo. Tempo de sucesso e boa sorte.

Nove no quinto lugar: a perseverança traz a fortuna. A humilhação desaparece. Nada que não seja vantajoso. Não um começo, mas um fim. Antes da transformação, três dias, após a transformação, três dias. Fortuna.

A imagem mostra uma situação imperfeita. Isto poderá não ser óbvio. Faz-se necessária uma cuidadosa reforma e não se deve jogar fora o bebê junto com a água de seu banho. Depois, você deverá estar preparado para continuar as mudanças até tudo ficar direito. Então isto inevitavelmente trará o sucesso.

Nove no alto: penetração sob o leito. Perde seus bens e suas armas. Continuar neste caminho traz o infortúnio.

O poder calmo e penetrador de Suen atingiu seu limite máximo. Pode haver um sucesso, mas pode haver perdas e dificuldades. Você perdeu sua capacidade de enfrentar o mal. Se se penetrar então profundamente numa situação e descobrir más condições, ficar-se-á inerme. Uma retirada imediata é o único caminho.



58. TUEI - Alegria

O trigrama Tuei (o Lago, a Filha Mais Jovem, a Alegria) duplicado, forma este hexagrama. A alegria da filha mais jovem mostra-se como um canto tradicional e alegre, quando ela vai tratar de suas ocupações. Tuei também representa o sucesso e a prosperidade. Assim, é favorável para comércio ou qualquer novas iniciativas. Para os relacionamentos e empreendimentos que já existem, pode haver disputas e infelicidade.

O Julgamento
Alegria. Sucesso. A perseverança é vantajosa.

Indica-se uma alegria sem complicações, contagiosa. Se a alegria for ressaltada pela constância, influenciará mesmo o coração mais empedernido. Alegria exterior e perseverança interior, nesta condição, são o equilíbrio ideal de qualidades.

A Imagem
O Lago sobre o Lago: símbolo da Alegria. Assim o homem nobre estuda e se exercita Com seus companheiros.

Os dois lagos unidos representam o efeito reforçador da alegria, conhecimento e sabedoria compartilhados entre as pessoas. A Imagem também indica a necessidade de medir sua alegria em relação a padrões objetivos. Nos relacionamentos, o prazer facilmente pode se tornar um sentimento egoísta, sem relação com o estado da outra parte. Entretanto, o prazer compartilhado é prazer dobrado.

As Linhas
Nove no fundo: serenidade contente. Fortuna.

Um contentamento seguro, interior, trazendo-lhe liberdade dos desejos e compulsões. Tempo de harmonia - mas há o perigo de complacência, egoísmo mesmo, e assim o conflito.

Nove no segundo lugar: Alegria sincera trazendo a boa fortuna. O remorso desaparece.

Tempo de harmonia e progresso. Não se envolva em prazeres inferiores, que poderiam ser embaraçosos para você ou para outrem, mais cedo ou mais tarde.

Seis no terceiro lugar: Alegria indulgente. Infortúnio.

Você está com um vácuo espiritual por dentro, apreciando as alegrias exteriores, sendo tentado a prazeres indignos e insatisfatórios. Inevitavelmente perderá contato consigo mesmo mais e mais. Tempo em que poderá sujeitar-se a ilusões e cometer erros perigosos.

Nove no quarto lugar: Alegria calculada não gera paz. Depois de se corrigir cuidadosamente, a boa fortuna.

Um possível avanço material, se se for cuidadoso. A imagem adverte para desfrutar todos os prazeres sem compulsão ou cobiça.

Nove no quinto lugar: confiar nos fatores de desagregação é perigoso.

Por mais sincero que você for, poderá envolver-se com circunstâncias ou pessoas vis. Só reconhecendo conscientemente esta tendência, você poderá evitar o perigo.

Seis no alto: seduzido pela Alegria.

Tempo de circunstâncias agradáveis ou valiosas, mas nenhum real sucesso. Você está perdendo contato com sua natureza mais profunda e senso de direção, e agora está sendo varrido ao sabor do destino e das circunstâncias.



59. HUAN - Dispersão

O vento (Suen) sobre a Água (K'an) indica a dispersão da Água - a espuma soprada das ondas pelas rajadas de vento. Uma dissolução e desperdício de energias é a evocação mais óbvia aqui, mas Huan também mostra como a energia armazenada ou bloqueada pode ser libertada pela suavidade.

O Julgamento
Dispersão. Sucesso. O rei se aproxima do templo. É vantajoso atravessar as grandes águas. A perseverança é vantajosa.

A ênfase aqui é na dissolução da separatividade ao se compartilhar atividades de natureza elevada, como o ritual religioso. O rei, aqui, simboliza a pessoa de altas qualidades ou autoridade, necessária para unir os homens divididos pelo egoísmo. O trigrama superior também significa Madeira, sugerindo barcos sobre a água. Isto, juntamente com o conselho de "cruzar as grandes águas", sugere benefícios através de Viagem ou mudanças.

A Imagem
O Vento soprando sobre a Água: símbolo da Dispersão. Assim os antigos reis sacrificavam a Deus, E erigiam templos.

Ao passo que o Julgamento sugere homens cuja dureza é quebrada por um impulso caridoso, aqui o doador da caridade é enfatizado, que une os outros na piedade comum. A idéia de continuidade é sugerida pela imagem da construção do templo.

As Linhas
Seis no fundo: a ajuda vem com a força de um cavalo. Fortuna.

Destaca-se uma ação vigorosa e altruísta, que pode ser necessária para prevenir disputas e incompreensões. Tempo de progresso.

Nove no segundo lugar: A Dispersão o faz correr para seu abrigo. O remorso desaparece.

A imagem mostra alguém que percebeu que a separatividade e os maus sentimentos esMo crescendo, e toma medidas firmes para estabelecer condições mais confiáveis. Estas podem ser subjetivas ou objetivas. Tempo de fortunas misturadas.

Seis no terceiro lugar: Dispersão do egoísmo. Sem remorso.

A renúncia a si mesmo pode ser útil - por exemplo, quando se tem de enfrentar circunstâncias difíceis ou cheias de tensão. Mas pode levá-lo a negligenciar a si mesmo.

Seis no quarto lugar: ele se afasta de grupos. Sublime fortuna. Pela dispersão passa-se da acumulação, eis o que os homens ordinários não pensam.

Tempo de sorte mista: avanço e sucesso prováveis; mas a perda também é possível. Ignorando compromissos pessoais ou amizades particulares em favor de considerações mais amplas, fica-se capaz de ser objetivo e decisivo. Uma visão de conjunto inusitadamente sábia é necessária para isto.

Nove no quinto lugar: pronunciamentos dispersando-se como o suor. Dispersão do palácio do rei. Sem desonra.

Em tempos desorganizados, quando as energias e os recursos são dispersados, é um ponto de crise (como o tempo do suadouro numa doença severa) é o tempo em que tudo pode se tornar coeso por um ideal visionário, e cheio de autoridade. Mas são necessárias grande energia e generosidade para capitalizar este ponto de reunião. Tempo de boa fortuna e promoção.

Nove no alto: dispersão do sangue; afastar-se; manter-se a distância, é sem desonra.

Você é representado como se aproximando de uma situação perigosa e potencialmente arriscada. Considere as conseqüências. Tempo de alívio em relação a circunstâncias desagradáveis ou perigosas, ou mudança para melhor.



60. TCHIEH - Limitação

K'an (a Água, o Perigo) sobre Tuei (o Lago, a Alegria) sugere um lago que transbordará, se não for controlado. O esforço por ideais e a esperança de perfeição não são em si irrealistas, mas, sem a consciência da limitação e sem delimitação de um comportamento pessoal, são sonhos desesperados.

O Julgamento
Limitação. Sucesso. Não se deve perseverar na limitação amarga.

Limitações, autocontrole e economia são nobres, qualidades e que podem aliviar a pobreza e aumentar seus recursos. Mas se a limitação torna-se sua inimiga, ou do funcionamento básico das circunstâncias, torna-se frustrante e destrutiva. Assim, deve-se manter um senso de proporção.

A Imagem
Água sobre o Lago: símbolo da Limitação. Assim o homem nobre cria número e medida E procura saber o que é a virtude e a conduta correta.

O lago tem limites, mas a água, não - assim, deve ser contida. Só pela determinação de seus talentos e fraquezas, e pelas limitações do caminho à frente, pode-se seguir um caminho em particular e evitar ser impelido daqui para lá por circunstâncias temporárias. No entanto, não sufoque o seu potencial.

As Linhas
Nove no fundo: não sair além da porta e do quintal: Sem desonra.

Tempo em que avançar é desfavorável. A espera e uma preparação discreta iluminarão o caminho para o progresso, quando vier a sua hora.

Nove no segundo lugar: não sair além da porta e do quintal: Infortúnio.

Quando chega a hora da ação, é preciso assumi-ia. A hesitação nesta hora significará oportunidades irrevogavelmente perdidas, ou mesmo o desastre.

Seis no terceiro lugar: o que não conhece limitação Terá Que se lamentar. Sem desonra.

Tempo em que qualquer extravagância encontrará conseqüências adversas. Você tende aos excessos: pode ser um hedonista, ou tende à severidade arrogante. O erro está dentro de você: este o significado do livre-arbítrio.

Seis no quarto lugar: limitação satisfeita. Sucesso.

A restrição deve ser natural: esta sensação não pode ser atingida se suas limitações (impostas por você mesmo, ou por sua situação) forem muito estritas ou muito indulgentes. Tempo em que a conduta correta simbolizada por Tchieh traz recompensas.

Nove no quinto lugar: com a Limitação suave, ele encontra a honra no adiantar-se. Fortuna.

Se se quer seguir um determinado caminho, é importante não impor limitações aos outros, tais que você mesmo não as aceitaria (especialmente se estiver: num posto de liderança). Se você puder impor limitações aos outros que se adeqüem à situação e não restrinjam sua liberdade em demasia, grandes feitos são possíveis.

Seis no alto: Limitação amarga. A perseverança traz o infortúnio. O remorso desaparece.

Tempo em que persistir em suas atitudes ou ações trará o infortúnio. Impor fortes restrições aos outros será criar ressentimento, mais cedo ou mais tarde. Se porém as condições exigirem que limitações sejam aplicadas, deve-se primeiro procurar corrigir a si mesmo, e então você poderá se sentir livre de culpa.


61. TCHUNGFU - A Verdade Interior

Tuei (a filha mais jovem; a Alegria) embaixo de Suen (a filha mais velha; o Suave) sugere uma bondosa irmã mais velha cuja influência faz com que a moça a siga alegremente. Assim, Tchung Fu indica um tempo de confiança e sinceridade. Através da imagem do vento (Suen) arrepiando as águas do Lago (Tuei) o hexagrama apresenta a idéia da manifestação do invisível. O poderoso incita o fraco ou o inferior pela gentileza. O elemento mais fraco responde com confiança.

O Julgamento
A Verdade Interior. Porco e peixe. Fortuna. É vantajoso cruzar as grandes águas. A perseverança é vantajosa.

É impossível influenciar até mesmo as pessoas ou circunstâncias mais grosseiras e obstinadas - simbolizadas pelo porco e o peixe - pelo poder de uma verdade universal, a que tudo responde. Isto não é suscitado pelo interesse comum, simpatia, empatia, ou algum vínculo esotérico, mas pela consciência do espírito divino que transcende diferenças culturais ou valores pessoais, e que reside em tudo e todos.

A Imagem
Vento sobre o Lago: símbolo da Verdade Interior. Assim o homem nobre julga os litígios, E retarda a execução das penas.

O antigo sistema da justiça chinesa era conduzido pelo exame de um magistrado. Era considerado que um interrogatório penetrante produzia uma compreensão que evitaria punições desnecessárias. Aqui, destaca-se a compreensão penetrante que transcende diferenças sociais, culturais ou outras, entre as pessoas.

As Linhas
Nove no fundo: estar preparado traz a fortuna. Segundas intenções acarretam inquietações.

Tempo de sucesso auxiliado pelos outros, e trabalho duro. A linha adverte contra julgamentos tortuosos ou fáceis, ou associados indignos.

Nove no segundo lugar: uma grua gritando no escuro. Seu filhote responde. Tenho um bom bocado. Compartilharei contigo.

Tempo de boa fortuna. A raiz de toda influência real é uma virtude clara e não-egoísta no que você tem de mais íntimo. Propaga-se com tanta certeza quanto as ondas sobre um lago.

Seis no terceiro lugar: ele encontra um companheiro. Ora bate o tambor, ora se detém. Ora soluça, ora canta.

A imagem mostra alguém profundamente dependente de outra pessoa. Não se diz nada sugerindo que é bom ou mau, mas o tempo indicado é tal que as condições flutuam entre as boas e as más. O ganho pode seguir-se à perda, ou vice-versa.

Seis no quarto lugar: a Lua se aproxima de ficar cheia. Um cavalo da parelha escapa: continua-se fielmente. Sem desonra.

Quando a Lua está quase cheia, logo começará a minguar. Assim, percebendo como muda a maré da fortuna, você deve procurar humilde e modestamente o significado íntimo de sua situação. A imagem do cavalo mostra que um de um par se afasta, rompendo uma relação. O outro nada pode fazer, senão continuar seu curso. Indica-se a promoção, e uma separação é possível.

Nove no quinto lugar: ele possui a Verdade que reúne a tudo. Sem desonra.

Tempo de harmonia e realizações. Entretanto, a linha simboliza alguém que sustenta uma situação por sua empatia clara e sem preconceitos para com todos. Se esta força de coesão fosse removida, a desordem e a hostilidade invadiriam a situação.

Nove no alto: o canto do galo penetra o Céu. A perseverança traz o infortúnio.

O galo que canta é como alguém cuja virtude está em convencer os outros de sua presença e eficácia. Isto eventualmente se mostrará desastroso. Tempo de dificuldade ou complicações, para alguns. Os que levarem vidas modestas os humildes poderão, porém, atingir algum sucesso.



62. HSIAO KUO - Preponderância do Pequeno

Tchen (o Trovão, o Estimulante) está em cima de Ken (a Montanha, a Imobilização), indicando a força que é capturada pela força de cima. Esta idéia de força ou virtude contida por elementos fracos ou inferiores representa alguém incapaz de satisfazer às demandas de sua situação. Acusa-se aqui a mesquinharia ou a falta de um propósito bem definido.

O Julgamento
Preponderância do Pequeno. Sucesso. Pode-se fazer pequenas coisas, não se pode fazer grandes coisas. A perseverança é vantajosa. O pássaro que voa traz a mensagem: Esforçar-se para subir não é bom; Ficar embaixo é aconselhável. Grande fortuna.

A modéstia oriunda do reconhecimento de suas próprias limitações é uma virtude, mas poderá ser vista como fraqueza, se não for acompanhada por autoconsciência. Deve-se compreender as exigências de sua situação, e não esperar grandes sucessos. Como a ave cuja canção pressagia sua descida, não devemos desperdiçar nossas forças agora, ansiando por grandes realizações.

A Imagem
Trovão sobre a Montanha: símbolo da Preponderância do Pequeno. Assim o homem nobre em sua conduta dá predominância ao respeito. No luto, dá predominância à dor. Nas despesas, dá predominância a economia.

O sábio, como um homem nas montanhas, ao ouvir o trovão diretamente acima, reconhece a mudança no tempo. Assim dá estrita atenção à forma, tendendo sempre à maior humildade, além do estritamente necessário. Se se ascender, só se poderá cair, aqui.

As Linhas
Seis no fundo: voando alto, o pássaro encontra o infortúnio.

Tempo de aparente boa fortuna, seguida por uma perda. Deve-se respeitar a natureza de sua posição e recursos, sem tentar ir além. Se você não estiver preparado para enfrentar as responsabilidades que virão, encontrará o infortúnio.

Seis no segundo lugar: ela passa pela frente de seu pai espiritual, em favor de sua mãe espiritual. Não atinge seu príncipe e encontra o funcionário. Sem desonra.

As regras são dobradas, ou quebradas. Você se encontra em posição para a qual na:o está preparado. Porém, o curso correto é continuar conscienciosamente, começando com o pé direito.

Nove no terceiro lugar: se ele não for extremamente prudente, alguém pode vir e ataca-lo por trás. Infortúnio.

Você está demasiado autoconfiante, descuidado, ou simplesmente é vulnerável por sua inadaptação, e deve ter consciência de que há perigos ocultos. O perigo não é inevitável, mas é vital um grande cuidado.

Nove no quarto lugar: ele enfrenta as coisas de forma comedida. Sem desonra. Adiantar-se traz o perigo. Persevere, com cuidado.

Tempo de prováveis dificuldades, se bem que deverão ser temporárias. Tome cuidado, seja conciliador, e não se envolva.

Seis no quinto lugar: nuvens espessas no oeste, mas nenhuma chuva cai. O príncipe dispara uma seta numa caverna, e atinge a caça.

A linha indica que você está um tanto isolado da posição que quer atingir. A pessoa que atinge tal posição terá sucesso por seus feitos reais, e por suas qualificações. Se estiver escolhendo auxiliares, seu valor genuíno deve ser considerado à parte de sua reputação.

Seis no alto: ele o ultrapassa, sem encontrar. O pássaro voa para longe. Infortúnio e destruição.

Num tempo em que detalhes são importantes, você só tem olhos para generalidades. Se, quando pequenas oportunidades são vistas, você tentar grandes empreendimentos, ou se tiver boa sorte e tentar tirar vantagem indevida disto, encontrará um amargo fim. Só pessoas que trabalharem dura e humildemente terão boa fortuna, agora.



63. KHI TSI - Após o Cumprimento

Neste hexagrama, linhas interrompidas e cheias estão distribuídas igualmente. Os trigramas, K'an (em cima, a Água) e Li (o Fogo) produzem a idéia de cumprimento, pela imagem da água em ebulição. Assim, duas idéias estão presentes: por um lado, tempo de sucesso, harmonia e desfrute; por outro, a natureza equilibrada de Khi Tsi (como as imagens da Lua cheia ou do Sol do meio-dia usadas freqüentemente neste livro) significa influência e sucesso que logo minguarão. Este fluxo incessante é o significado básico de todo o I Ching.

O Julgamento
Após o Cumprimento. Sucesso nas coisas pequenas. A perseverança é vantajosa. De inicio, fortuna. Ao fim, desordens.

Este é um momento em que só os assuntos pequenos podem ter sucesso. Analogamente, o sucesso e o desabrochar criativo acarretado por este pico de energia é um tempo de atender aos assuntos menores, e não se deve permitir que sua boa fortuna facilite descuidos ou atitudes relaxadas. Não é preciso sofrer indevidamente, se se entender que, à fruição, segue-se o decaimento.

A Imagem
Água sobre Fogo: sim bolo de Após o Cumprimento. Assim o homem nobre contempla a natureza da infelicidade E arma-se antecipadamente contra ela.

Água e fogo aqui simbolizam uma tensão criativa que produz bons resultados. Mas as duas forças, por natureza, são hostis, e sua harmonização é coisa frágil. O Julgamento adverte que, o que quer que tenha sucesso ou esteja já estabelecido, deve ser cuidado com toda a atenção e mantido sem expansão. O que é incompleto deve ser acabado, ou desfrutado sem tardança.

As Linhas
Nove no fundo: ele freia suas rodas. A raposa molha a cauda. Sem desonra.

A natureza das coisas agora parece ser a do avançar, pressionar para a frente, desabrochar. Se você não for supremamente cuidadoso, e se divergir de seus princípios só um pouquinho, haverá conseqüências desgraçadas. Entretanto, atendo-se aos seus princípios e agindo com discriminação - por mais impopular ou fora de moda que você esteja - poderá evitar qualquer dano real. Tempo de dificuldades, quando nada se deve empreender, é o indicado.

Seis no segundo lugar: ela perda a cortina de sua carruagem. Não corra atrás; depois de sete dias, será encontrada.

Tempo de dificuldades, mesmo de perdas, de início. A imagem refere-se ao perigo de avançar e agir imodestamente. Não o faça: o tempo certo virá depois que o atual ciclo for cumprido.

Nove no terceiro lugar: o grande imperador submeteu o país do diabo, e o conquistou depois de três anos. Não se deve empregar homens vulgares.

Tempo de dificuldade e conflito, mas depois, com perseverança, virá o sucesso. Não se deve ser relaxado ou muito autoconfiante, havendo o perigo de romantismo ou identificação com objetivos insensatos. Examine cuidadosamente sua situação e recursos.

Seis no quarto lugar: até as roupas mais finas soltam fiapos. Seja circunspecto o dia inteiro.

Tempo em que o cuidado conservará o "status quo". Pode-se ter o que se precisa, mas não um sucesso extraordinário. Dentro de uma situação de sucesso, perigos ocultos podem estar à espreita.

Nove no quinto lugar: o vizinho do leste, que mata um boi, não atinge uma felicidade tão verdadeira quanto o vizinho do oeste, com sua pequena oferenda.

Esquemas ou circunstâncias ostentatórios não são favorecidos, por hora. A linha especificamente aconselha modéstia e simplicidade, ao invés de mostrar exteriores de virtude ou riqueza. Pequenos assuntos são auspiciosos.

Seis no alto: ele molha a cabeça. Perigo.

A natureza do tempo é o movimento para a frente. Se se fizer uma pausa, se deixar ser complacente ou auto-satisfeito, o perigo logo crescerá. Tempo de oportunidade, mas onde as circunstâncias estáveis podem esconder uma má influência.



64. WEI TSI - Antes do Cumprimento

Li (a Chama) sobre K'an (a Água) aqui simboliza o Sol nascendo do mar, de madrugada. Muito embora este seja o último hexagrama, as linhas não estio em seus lugares certos. O tempo indicado é a primavera, e assim, tempo de esforço e preparação para o cumprimento de todas as coisas. Este hexagrama é favorável para projetos novos - contém uma grande esperança para o futuro.

O Julgamento
Antes do Cumprimento. Sucesso. Mas se a raposinha, quase terminando de passar, molha a cauda, Não haverá nada que seja vantajoso.

A raposinha é uma imagem folclórica chinesa. Se não avançar cuidadosamente, poderá afundar, ou machucar-se no último momento. Mais genericamente, a imagem sugere uma situação estranha, ou potencialmente hostil. Você pode ter tido sorte, evitando todo mal até agora, mas só atitudes conscientemente contemplativas garantirão sua posição. Falta coesão à situação, ou uma força unificadora. Talvez isto possa ser oferecido por um ideal, ou ambição compartilhados.

A Imagem
Fogo sobre Água: símbolo de Antes do Cumprimento. Assim o homem nobre é circunspecto quando discerne as coisas, A fim de que cada uma encontre o seu lugar.

A orientação do Fogo é para cima, ao passo que a orientação da Água é para baixo. Na relação simbolizada por Wei Tsi, são irreconciliáveis. Você deve pois fazer um exame realista da natureza das circunstâncias em que estiver.

As Linhas
Seis no fundo: ela molha a cauda. Fonte de humilhação.

Condições confusas, mal-estabelecidas, produzem a tentação de tomar rapidamente uma atitude. Mas se o tempo para o avanço ainda não veio, você será humilhado. Refreie-se até que o caminho esteja desimpedido. A realização será difícil e o sucesso será limitado e não compensador.

Nove no segundo lugar: ele freia suas rodas. A perseverança traz a fortuna.

Por hora, você deve esperar. O caminho à frente será desimpedido e, por enquanto, acumule suas forças e recursos, e prepare-se. Então o sucesso virá naturalmente, e no momento azado. Tempo em que tentativas inusitadas ou grosseiras de adiantar-se trarão problemas.

Seis no terceiro lugar: Antes do Cumprimento, atacar traz o infortúnio. É vantajoso atravessar as grandes águas.

Chegou o tempo de agir - mas você está despreparado para o empreendimento. Continuar seria desastroso. Você deve bater em retirada; fazer uma interrupção, e começar com uma nova atividade.

Nove no quarto lugar: a perseverança traz a fortuna. O remorso desaparece. Ele deve recorrer a grande força, a fim de castigar o país do diabo. Durante três anos ele recebe grandes recompensas.

O tempo da ação chegou. Pode ser perigoso, mas é imperioso agir, ou a oportunidade será perdida. Tempo de sucesso e lucro.

Seis no quinto lugar: a perseverança traz a fortuna. Sem arrependimento. A luz do homem nobre é permanente. Fortuna.

Tempo de sucesso, quando tudo parece melhor do que antes. Conserve a empatia em relação aos outros, e procure descobrir a ordem dentro da desordem.

Nove no alto: ele bebe vinho para celebrar. Sem desonra. Mas, se molhar a cabeça, perdê-la-á.

Enfatiza-se aqui que deve-se evitar o perigo. Nesta época, quando se atingiu a harmonia dentro de seu próprio círculo, haverá sempre um risco de excesso ou descuido. Isto desfaria o bom trabalho já executado.